19 maio, 2020

Vida de Gato (Serge Baeken)


Pelo fato de morar na zona rural, em uma fazenda mais especificamente, sempre tive contato com diversos animais: cavalo, vacas, cabras, galinhas, cachorros, e é claro, gatos.  Quando vi que a DarkSide Books tinha anunciado o lançamento desse quadrinho, definitivamente foi amor à primeira vista. Só pela capa, com esse tom de amarelo, já me conquistou <3 

Ao longo do tempo, tive vários gatos, cada um com uma personalidade e sentimentos diferentes, mas agora eles estão em um lugar melhor, viraram estrelas. Aqui em casa temos um total de, pasmem, oito gatos! Mas meu de verdade, só é a Mingau, uma gatinha muito carinhosa e que eu gosto bastante! Cuido dela desde de filhote e fiquei super feliz quando ela me ajudou a fazer as fotos para esse post (geralmente ela não gosta que fotografem ela haha). Agora eu e a minha felina, vamos falar sobre uma historia em quadrinhos que  a gente leu recentemente e amou: Vida de Gato.


Vida de Gato é uma Graphic Novel que irá nos apresentar a vida do autor, Serge Baeken, e o mundo através  ponto de vida de seus felinos que ele teve ao longo da vida, e que deixaram uma marca eterna no coração do autor. O protagonista principal da história é Mascavo, um bichano muito bagunceiro, agitado, e claro, muito amado, que viveu consideráveis 18 anos ao lado de seu dono, e deixou uma marca registrada em sua vida.

Em um geral, esse é aquele tipo de quadrinho emocionante e divertido, que lemos em um piscar de olhos, o autor nos apresenta uma narrativa da história através da percepção dos felinos e, isso só isso contribuiu para que minha experiência de leitura fosse diferente e única. Mascavo se parece muito com a Mingau, os dois são bagunceiros (mas também muito preguiçosos) e querem sempre o foco de toda atenção para si haha. É um quadrinho que possui poucos diálogos, interpretei isso como um ponto positivo e foi a partir disso que notei o cuidado do autor, afinal, se os gatos não necessitam de palavras para expressar o que sentem por nós, por que nós precisaríamos?


O quadrinho é bem curtinho, mas nem por isso deixa de ser especial. Li ele em um domingo, e após concluir a leitura, fui rapidamente ver como minha bichana (essa fofa aí da foto haha ♡) estava e fazer um carinho nela. Serge Baeken conseguiu nos apresentar uma historia delicada, sensível e triste ao mesmo tempo. Como a maioria das pessoas são amantes assíduas de gatos, essa história conquistou o coração de várias pessoas, inclusive o meu ♡


Essas patinhas *-*


O quadrinho foi publicado aqui no Brasil pelo selo Graphic Novel da DarkSide Books <3 A edição está toda linda! ♡ Fiquei apaixonado nessa folha de guarda! Eu amo tudo que tem bolinhas, pois elas me lembram planetinhas *-* A edição possui um tamanho maior que o convencional, ela é do mesmo tamanho que a Graphic Novel  Aurora nas Sombras, e também amei o tom de amarelo usado na capa! As ilustrações são em preto e branco e riquíssimas em detalhes. Eu fiquei fascinado por essa lombada com o rostinho do Mascavo com diferentes expressões faciais, ficou bem sarcástico e divertido haha ♡

Serge Baeken é um quadrinista e ilustrador belga. Estudou desenho, escultura e artes plásticas em academias em Kempen, na Alemanha, e em Antwerp, na Bélgica. Nessa época, publicou um zine independente chamado Embryo com alguns amigos, em 1984. Ilustrou para inúmeras revistas e clientes, entre eles Penthouse Comix, VPRO, Marc Didden, BBL, TRIX e Mekanik. Também atuou no ramo de jornalismo em quadrinhos. Sua arte aparece regularmente nos jornais De Tijd e De Morgen.


Esse marcador fofo é um mimo para quem comprar o livro no site da caveira ♡



Eu tentei não colocar no post todas as foros que eu tirei para essa resenha, mas como podem ver, não resisti. Sou aquela típica pessoa que está conversando tranquilamente com alguém e do nada pergunta: Quer ver uma foto da minha gatinha? Hahahaha Quem mais é assim?

Gostaram da resenha? E das fotos? Espero que tenham gostado do post e que tenham ficado curiosos para saber um pouco mais sobre essa história ♡

miau? miau!

10 maio, 2020

10 Motivos para ler Vitorianas Macabras


Desde sempre, histórias que envolvem fantasmas ou qualquer outra entidade maligna,  sempre me despertaram certo interesse e fascínio. Gosto de pensar que livros desse gênero, são uma porta de entrada para um mundo mórbido e completamente diferente do nosso, como se o autor/autora quisesse nos mostrar como seria se aquilo realmente existisse. Ler esse livro com esses meus pensamentos aleatórios,  só deixou minha experiência de leitura ainda melhor.

Vitorianas Macabras é uma antologia, organizada e traduzida por Marcia Heloisa, que reúne textos, contos e curiosidades produzidas por mulheres sensacionais que conquistaram seu espaço na era vitoriana. Uma era na qual não era nada fácil para as mulheres terem seu trabalho reconhecido e publicado. Muitas dessas autoras, usaram até um pseudônimo masculino para poderem ser "levadas a sério".

A era vitoriana foi o período do reinado da Rainha Vitória, no Reino Unido, que durou 63 anos.  Essa época, foi um marco para a história da Inglaterra e no mundo todo. De um lado temos o conservadorismo, repressão e a submissão. Já de outro, temos as transformações científicas, que foram um grande avanço, e também as transformações sociais e tecnológicas. É recorrente os comentários de que os homens fizeram coisas grandiosas nessa época, mas eles sempre esquecem das mulheres, que estavam lá, travando suas próprias batalhas, conquistando suas vitórias, buscando seus direitos e desafiando convenções, tudo em nome de sua independência e autonomia. Como diz na própria introdução: Elas são mais do que vitorianas. São vitoriosas.

Eu realizei a leitura deste livro juntamente com uma amiga muito especial: A Luana, do blog A garota que bebeu a Lua. Foi maravilhoso ler esse livro com ela! a gente é tão igual e ainda por cima temos os mesmos gostos. Lemos um conto por dia e no período da noite, a gente falava sobre eles. A minha leitura foi ainda melhor por conta disso <3 Lu, Foi maravilhoso ler esse livro com você! Espero que a gente leia muitas outras histórias juntos! Agora, vamos aos motivos para ler esse livro maravilhoso!

A introdução: a Rainha Vitória como não vemos na escola



“Naquela noite, Vitória estendeu a roupa de dormir de Albert ao seu lado na cama. Despedira-se da carne, do belo invólucro inanimado que jazia seu leito de morte no Quarto Azul, mas acolhera o espírito. Alisando o fino tecido de suas roupas, encostou a cabeça no peito invisível do espectro e, finalmente, consegui dormir”

Uma coisa que eu achei bem curioso e interessante na introdução, foi ela ter nos abordado um ponto de vista sobre a Rainha Vitoria como não vemos na escola (e em qualquer outro lugar). Fiquei um tanto quando impressionado, e até assustado, em ver como eles romantizavam a Morte e não aceitavam ela de forma tão fácil. Com esse texto, foi nítido a perceber o quando ela sofreu com a morte de seu esposo (que também era seu primo), Albert. Cheguei a conclusão que a dor e o luto pode mudar completamente a vida e a personalidade das pessoas.

Márcia Heloísa, que é a organizadora dessa obra e também a tradutora, fez um belo trabalho com esse livro em um geral. “Casada com um fantasma” nos mostra uma percepção mórbida sobre o luto da antiga monarca. Ela achou que mesmo com seu esposo morto, ela poderia, de alguma forma, tentar deixar ele vivo, mesmo que fosse da maneira espiritual. Sendo assim ela tentava preservar a rotina de Albert, mesmo ele não estando mas entre ela. Os criados continuavam trocando suas roupas de cama, lhe trazendo água morna para sua toalete matinal, toalhas limpas... Vitoria não só tentara manter a ilusão de sua presença, mais do que isso, ela achava que poderia trazê-lo de volta.

Edição Macabra: Beleza de gelar a espinha



Uma das coisas que eu mais gosto nas  nos livros da DarkSide Books, é que eles sempre capricham no quesito edição, tanto para abordar uma história mais leve, quando para uma mais pesada. E em Vitorianas Macabras não poderia ser diferente. A estética, o conteúdo, os extras, as artes... está tudo muito bem feito, e  é sem dúvidas um presente para nós, leitores.

A capa possui uma ilustração de uma mulher, representando uma moça da era vitoriana. Cobras, uma cabra e algumas artes estão acompanhadas juntamente dela. As ilustrações Macabras presentes no livro foram feitas pela artista Jennifer Dahbura. Tudo isso só deixou o livro mais bonito, e com um designer marcante. Uma coisa que eu acho muito legal, que a editora faz com a maioria dos livros,  é não colocar o título da obra na capa, isso dá todo um diferencial para a edição e a deixa ainda mais bonita e misteriosa haha.

As cores predominantes na edição são o vermelho, preto e o branco. São cores bem diferentes umas das outras, mas que mesmo com essa diferença, combinaram muito entre si. É um geral, é um livro muito completo! em certos momentos, antes de começar a leitura, ficava durante vários minutos observando o quão macabrosamente bem feita essa edição estava.

Escrita fácil e arrepiante: Palavras compreensíveis e histórias imersivas



Sempre quando ouvimos falar de livros clássicos ou de histórias que foram escritas a bastante tempo, sempre associamos escrita difícil e histórias com pouco desenvolvimento por ser contada através da linguagem daquela época. Isso antigamente não nenhum problema, pois era essa o tipo de escrita no qual eles estavam acostumados, assim como nós estamos acostumados com um tipo de escrita hoje.  Mas isso definitivamente não é o caso em vitorianas Macabras. Esse livro  possui contos com uma escrita fácil, palavras compreensíveis e histórias imersivas.

A escrita desses mulheres me deram a impressão que eu estava lendo uma história escrita nos dias de atuais, estava imaginando, que por ser escrito no século XIX, Seria uma escrita mais lenta. É com muita felicidade que eu digo que me enganei. As historias fluem de uma maneira sensacional e ansiamos saber o final de cada conto o mais rápido possível, e também, é uma ótima dica para quem está começando a ler livros de contos assim como eu.

o Conto mórbido: "Onde o fogo não se apaga" de May Sinclair



“Você acha que o passado afeta o futuro. Nunca parou para pensar que o futuro pode afetar o passado?”

Onde o fogo não se apaga é o último conto do livro, o livro possui 13 contos, todos muito bem escritos e desenvolvidos,  mas quando terminei esse, tive plena certeza que ele era meu favorito. Esse em específico abordará a história da Harriott, que após de se envolver com um homem casado, descobre o amargo sabor de um romance que dura para toda eternidade. Essa história por si só, já é um motivo para ler Vitorianas Macabras.

Toda a ambientação, o contexto, a escrita, o desenvolvimento... me fizeram ficar fascinado por essa história. A forma como a autora trabalhou os elementos dessa narração foi impressionante. Fiquei muito agitado em certos momentos, estive conectado com os personagens o tempo todo e foi como se eu estivesse lá, vendo tudo acontecer, em uma atmosfera obscura, no inferno. Esse é um conto que todos irão gostar e ficar com uma leve sensação de estar sendo seguido haha!

Cine macabra: Victorian Movies - Jane Eyre



Cine macabra: Victorian Movies é uma parte dedicada para nos apresentar filmes e episódios de séries vitorianos. É um catálogo repleto de opções, gêneros e gostos. Com um total de 34 títulos, podemos nos imergir ainda mais na era vitoriana e nos acontecimentos daquela época. Pretendo, algum dia, assistir todos da lista! Essa parte que foi adicionado aos extras do livro, só deixaram a antologia ainda mais completa e interessante. Quero assistir alguns dos filmes sobre a Rainha vitória ainda esse mês. 

O filme que escolhi para vim aqui falar sobre, foi: "Jane  Eyre". Baseado em um clássico da literatura escrito por Charlotte Brontë. Um filme dirigido por Cary Fukunaga, tem os elementos típicos dos filmes de época românticos produzidos pelo cinema inglês, na medida em que temos aquele caráter bucólico dos ambientes nos quais as histórias se passam, ao mesmo tempo em que podemos perceber o cuidado com a parte técnica da adaptação. Jane Eyre teve uma infância muito difícil. Quando atinge a idade adulta, começa a trabalhar como governanta na casa da família Rochester e começa a se relacionar com o patrão, Edward.

É filme complexo, dramático e melancolicamente romântico. Utilizando esses atributos, é possível imaginar um grande drama depressivo (o que não deixa de ser), mas existem várias belas outras qualidades, desde a fotografia  com cores dessaturadas que ganha cores somente na última cena (no momento certo). Foi um filme que me causou muitos sentimentos, angustias e empatia.


Uau, prontinho! 

Mas Lucas... e os outros cinco motivos? Bom, Para conferir os outros 5 motivos é só ir no post da Luana (o primeiro clickbait a gente nunca esquece haha). Quando a gente estava mais ou menos na metade do livro,  decidimos que iríamos criar um conteúdo bem legal envolvendo este livro. E deu certo! conseguimos elaborar 10 motivos para ler essa antologia em poucos minutos, depois só foi colocar tudo em prática.



''I was walking with a ghost
A said please, please don’t insist''

Gostamos tanto desse livro que ao decorrer da leitura, criamos uma playlist com músicas que nos lembrassem do livro, ela está bem completa e algumas das músicas, tem letras até engraçadas haha. Confesso que minha favorita é a “Walking with a ghost” nossa, essa música define muito bem o segundo conto do livro: O mistério do elevador. Espero que gostem, e escutem muito essa seleção de músicas que fizemos com tanto carinho <3


Foi com certeza uma das melhores leituras de 2020. Não sou de ler muitos livros de contos, mas esse me ganhou e me conquistou de todas as formas. Os extras eu achei simplesmente sensacional, tudo nesse livro está bem feito, desde a fitinha marcadora até a diagramação. Ah, e lembrado que se você comprar esse livro no site da DarkSide, você recebe uma Experiência Dark, que além do livro, você ganha um pack de marcadores + 13 cards com as fotos das autoras vitorianas presente no livro. Eu achei esses cards muito sinistros e é com certeza um dos mais bonitos da minha pequena (porém muito amada) coleção de postais.

O livro foi publicado aqui no Brasil pelo novo selo da DarkSide Books: Macabra. Macabra Tv é um portal audiovisual que que mistura filmes, séries e literatura de terror.E agora, também é um selo da nossa queria caveira. Se esse não é o pacto mais bem feito e macabro, desconheço qual seja haha. Já posso dizer que o selo já chegou com tudo!


Já leram esse livro? ficaram curiosos? Espero que tenham gostado do post e torço para que alguém se interesse em ler esse livro. Ah, não se esqueçam de ir conferir os outros cinco motivos la no blog da Luana.

"Elas são as vozes da era vitoriana e nunca serão silenciadas"

06 maio, 2020

6 on 6 (May 2020)







O tema do 6 on 6 de maio é um tema bem interessante a ser elaborado: “Quem sou eu?" O tema foi criado pela Lunna, a administradora de um dos grupos de interação no qual participo: O Interative-se. Para mim é muito difícil falar sobre eu mesmo, mas vamos lá! Vai ser legal!

Meu nome é Lucas Gaspare Buchinger, atualmente tenho Dezessete anos, estou "cursando" o terceiro ano do E. M. e estou sempre em constante mudança. Na minha imaginação, Estou a 17 anos perdido em algum universo desconhecido. Amo dias frios e nublados, e me sinto bem mais inspirado em dias assim. Consequentemente minha estação favorita é o Outono. Eu amo café, mas meu grande amor é  pelo chá. Ler é minha paixão, sou apaixonado em ler e descobrir novos universos! Mas acima de tudo, amo a sensação que eles nos passam: A de viajar sem sair de casa. Amo observar as estrelas, olhar para o céu, ver as nuvens, em um geral, mesmo o universo não conspirando ao meu favor, sou fascinado por ele.

Estou bem feliz pois hoje finalmente está começando a fazer frio na minha cidade. Está uma temperatura bem gostosa, provavelmente após concluir esse post, vou fazer uma xícara de chá e ler um bom livro. Espero que tenham gostado de saber, um pouco, sobre mim. Logo logo a categoria About fica pronta e lá eu vou conseguir me expressar melhor <3

Não se esqueçam de conferir os posts da galera que também está participando do projeto fotográfico: Ale Helga Darlene Regina, Mariana Gouveia Obdulio Nuñes Ortega e o da Lunna Guedes *-*

Com amor, L 

AO INFINITO E ALÉM