01 junho, 2020

A Menina Submersa: Memórias (Caitlín R. Kiernan)


"vou escrever uma história de fantasmas agora", ela datilografou


Eu tenho um hábito de leitura, para determinados livros, muito peculiar... Quando li este livro, dediquei o meu mês só para ficar mais imersivo nessa única história, uma história muito complexa que exige muita atenção, e ler nesse ritmo com certeza contribuiu muito para minha experiência ser ainda melhor e prazerosa. Ainda não consigo definir uma palavra que descreve perfeitamente este livro, talvez uma palavra que combina com ele seja: Desafiador

A autora possui uma escrita densa, complexa, poética e cheia de significados.  Nunca tinha lido nada igual, foi uma surpresa e um misto de sentimentos, na minha percepção, não é um título para todo mundo e também não é uma história para ler em qualquer hora. Gosto de pensar que este livro é igual uma sereia, uma hora você irá ouvir o canto, e então aí, você irá atrás dele


"O desconhecido é apavorante, mas a certeza me amaldiçoa."

Em A Menina Submersa: Memórias, vamos imergir na cabeça e nos pensamentos da protagonista, India Morgan Phelps (Imp), que sofre de esquizofrenia, uma doença genética, pois tanto sua avó quando sua mãe apresentavam o mesmo diagnóstico. Filha e neta de duas mulheres que buscaram o suicídio como uma porta de refúgio constante. Imp começa a nos contar sua história de fantasmas para tentar distinguir o que é real ou não, do tempo em que conheceu Abalyn, sua namorada, e Eva Canning, seu fantasma. Ela relata seus dias e suas emoções em um caderno, em outras palavras, um diário de seus pensamentos dela para ela mesma, e é através de seus relatos que iremos nos aprofundar na história. Mas, será que todos esses relatos são reais ou aconteceram somente na imaginação de Imp?

Está é uma história cheia de referências de livros, filmes, quadros (inventados), muita cultura envolvia, e cheia de detalhes. Foi realmente uma leitura bem demorada, mas de forma nenhuma isso foi ruim para mim, demorei um mês para concluir o livro, mas na verdade eu queria passar mais tempo com a Imp. Em seus momentos de crise, queria entrar no livro e abraçá-la. Detalhe: ela não é uma narradora confiável e ela mesma deixa isso bem claro.

"Suspeito que passamos muito mais tempo pensando sobre nossos pensamentos do que pessoas sãs. Ainda assim, não tinha me ocorrido que a forma como eu via o mundo significava que eu herdara a "maldição da família Phelps".


O livro segue uma narrativa não linear, confusa e densa. Como se ela fosse se lembrando (ou inventado) de acontecimentos ao longo do desenrolar. Consegui sentir as mesmas emoções que a Imp quando eu terminei essa leitura, confundindo as coisas sem saber o que era real ou não. Acho que a maior sacada desta obra, é nós colocar no lugar de uma pessoa diagnosticada com esquizofrenia, em momentos de surtos da protagonista, eu literalmente sentia as mesmas emoções que ela, fiquei com um baque de realidade muito forte. Nunca uma leitura tinha me trazido tais sentimentos e angústias. Não saber o que a protagonista está falando realmente aconteceu ou foi invenção dela, passam um clima de suspense e curiosidade, a forma como a autora escreveu foi sensacional e muito poética. Tudo isso só contribuiu para esse livro se tornar um dos meus favoritos da vida ♡

Nunca havia lido nada da  Caitlín Rebekah Kiernan, mas após concluir essa leitura, é notável o quão brilhante a mente dela é, trazendo para a realidade coisas inexistentes que mexem com a cabeça de nós leitores, e nos fazem refletir sobre coisas que antes nem tínhamos conhecimento. Sem contar que está obra possui muita representatividade. Com certeza eu vou reler esse livro em alguma outra época, talvez ainda esse ano. Mesmo não sendo uma história para todo mundo, sou grato a mim mesmo por ter lido no momento certo e no meu tempo, pois esse livro me fez evoluir muito como leitor.

''O que mais tememos não é o conhecido. O conhecido, por mais horrível ou prejudicial à existência, é algo que podemos compreender. Sempre podemos reagir ao conhecido. Podemos traçar planos contra ele. Podemos aprender suas fraquezas e derrotá-lo. Podemos nos recuperar de seus ataques. Uma coisa tão simples quanto uma bala poderia ser suficiente. Mas o desconhecido desliza através de nossos dedos, tão insubstancial quanto o nevoeiro.''


"uma história de fantasmas com uma sereia e um lobo", datilografou mais uma vez.


O livro foi publicado aqui no Brasil pelo selo DarkLove da  editora DarkSide Books com essa edição que é um primor a parte <3 lembro que em 2016/2017 em todos os vídeos ou posts com o título “10 livros com a capa mais bonitas da minha estante” Essa edição de A menina submersa sempre estava na lista. E sim, é com certeza uma das edições mais bonitas da minha estante. Eu realmente achava (antes de comprar) que a capa era feita de metal haha. Eu já falei isso no post de 10 motivos para ler vitorianas Macabras mas vou repetir: eu amo quando a editora não coloca o título do livro na capa! O corte de páginas é um rosa bem vibrante, enfim, essa edição é um tesouro.

Caitlín R. Kiernan é autora de livros de ficção científica, fantasia dark e paleontóloga. Escreveu dez romances, dezenas de histórias em quadrinhos e mais de 200 contos e novelas. Entre seus trabalhos, destacam-se os romances Silk (1998), Threshold (2001), ambos vencedores do International Horror Guild Award, e The Red Tree (2009); a série em quadrinhos The Dreaming, spin-off de Sandman, de Neil Gaiman, com quem também escreveu a novelização de Beowulf (2007); e a graphic novel Alabaster: Wolves (2013), em parceria com Steve Lieber e Rachelle Rosenberg, vencedora do Prêmio Bram Stoker. A Menina Submersa: Memórias conquistou os Prêmios Bram Stoker e James Tiptree, Jr.


Espero que tenham gostado da resenha e das fotos, lembre-se: pense neste livro como uma sereia, no momento certo você irá ouvir o canto e então você irá atrás dele.

Eu também dAtilografei

25 comentários:

  1. Há tempos quero ler esse livro e você meu deixou desejosa e começar a ler "ontem", nunca li a sinopse e penso que não é uma leitura simples...
    Como sempre as fotos ficaram lindas...
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu espero que você goste do livro tanto quanto eu gostei. Muito obrigado pelo carinho! ♡

      Excluir
  2. Eu lembro de quando eu li esse livro há uns anos: tudo era mato hahaha. DarkSide era quase uma editora cult porque eu quase não via ninguém falando sobre. De toda forma, foi uma leitura fantástica, confusa, impactante! A Imp foi uma das responsáveis por me fazer querer estudar mais a mente humana e fazer psicologia. Espero gostar de O Mundo Invisível tanto quanto desse.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi uma leitura que me tirou completamente da minha zona de conforto. Este livro entrou para lista de livros favoritos da vida, eu sou apaixonado da escrita da Caitlín ♡

      Excluir
  3. Poxa, não sabia que a autora tem trabalhos junto ao grande Gaiman. Hehee eu fiquei curiosa agora com essa...
    Sobre o livro, realmente parece uma capa de metal,esteticamente lindo. 🤗
    Com relação a trama, acho válida essa representatividade na história. Não é todo dia que nos deparamos com protagonistas esquizofrênicos em livros. Acho importante passar um pouco disso ao leitor. Fico feliz que tenha curtido a obra. Vi algumas opiniões bem controversas sobre a dificuldade de fluidez da leitura...

    Küss 😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente não é uma leitura fluida, mas para mim, compensou cada pagina! ♡

      Excluir
  4. Olha, devo confessar que também achava que a capa desse livro era de metal! kkkk Eu estou apaixonada pela capa, pelo livro, pela estória... e mais ainda por saber que a autora é minha colega de profissão. S2
    E sim, ler o livro mais devagar nos traz uma experiência muito mais imersiva e profunda, coisa que normalmente a gente não faz, correndo para ler n livros no mês/ano. É uma experiência que estou fazendo nesses tempos de isolamento e estou gostando bastante viu? Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahah antes de comprar eu ate tinha pensamentos aleatórios sobre o peso desse livro.

      Excluir
  5. Para livros desafiadores, também gosto de ser exclusiva para leitura, me dedica de forma mais apropriada, estou lendo este mês Rogers e acredito que suas obras pedem um posicionamento meu mais cuidadoso. Conheço A menina submersa, é um livro jovem bem interessante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz em saber que também entende minha relação com leituras mais densas. ♡

      Excluir
  6. Comecei a ler esse livro e não consegui terminar, talvez foi o momento que pedia uma leitura mais leve. Mas com essa resenha me deu vontade de pegar o livro novamente, que maravilhoso! Imp com certeza nos confunde, nos instiga!

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Confesso que há alguns anos atrás eu queria muito ler esse livro, mas depois de ler algumas resenhas e saber o quanto era confuso o livro perdi o interesse.. São poucas pessoas que vejo que gostam desse livro..
    Sua resenha me deixou bem empolgada, e quem sabe eu dê uma chance para a leitura assim que tiver a oportunidade.
    Você ter gostado tanto do livro me deixou com vontade de ler e saber se também irei gostar.
    Imagino que deve ser uma leitura desafiadora mesmo, muitos leitores não conseguiram terminar essa obra. Então, quem consegue terminar já superou um dos desafios 😂 gostei da sua analogia com a sereia
    Adorei a indicação, beijos!

    ResponderExcluir
  8. A capa desse livro é muito linda parece real de metal kkkk, a história também me parece muito interessante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece mesmo! tenho um carinho enorme pela essa edição. ♡

      Excluir
  9. Oi Lucas. Eu adorei ver essa resenha aqui no seu blog, e conhecer o viés da sua experiência com ele. A Menina Submersa foi uma das primeiras resenhas que escrevi no Coisas de Mineira. Uma leitura que me ganhou de uma forma fantástica. Eu sou psicóloga, e toda leitura que traz alguma personagem com transtornos diagnosticados ou não, já ganha minha atenção exclusiva.
    Sua resenha ficou ótima!!! Com certeza irá fazer com que algumas pessoas queiram enfrentar suas barreiras pessoais para dar uma chance a Imp.
    Ah, eu virei MUITO fã da autora. E te recomendo o livro de contos dela que saiu esse ano. Olha, vou resenha-lo breve. E a DarkSide fez muito bem em apadrinhar essa autora, porque tem tudo a ver com a casa editorial.
    Cairei muito na mesmice se eu elogiar suas fotos? Parabéns!!! Até a próxima.

    ResponderExcluir
  10. Muito interessante esse seu hábito de ler livros assim mais complexos, que exigem uma
    leitura mais imersiva. Muito bacana ver a sua dedicação com esse livro! Acredito que eu nunca tenho lido uma história mais complexa assim que e exija mais atenção. Parece ser uma experiência interessante e super diferente pra mim.

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem? Sempre tive vontade de ler algumas obras da Darkside mas minha lista está imensa para este ano. Sentir as mesmas sensações do protagonista torna a história ainda mais marcante. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  12. Oi, Lucas, turubom!? Adoro também as obras da Darkside e amo o acabamento dos livros deles. Esse é um dos wue está na minha lista de desejos, então precisei ler sua resenha só pela metade. Me perdoe, hahahah ❤️. Ainda assim quero elogiar seu blog que é muito lindo. O layout dele e a qualidade do seu texto me deixam muito confortável e com vontade de ler sempre. Abreijos.

    ResponderExcluir
  13. Que resenha deliciosa, esse foi o primeiro livro da Darkside que eu li e confesso que fui atraída pela capa! Mas o conteúdo também não decepcionou e eu fiquei completamente envolvida pela história! Adorei os pontos que você destacou, e a descrição da narrativa!

    Parabéns pelo seu trabalho
    Bjs Aruom Fênix 💜
    Blog Leituras de Aruom

    ResponderExcluir
  14. Oiee Lucas! Então, que bom q vc encontrou o seu momento para ler A Menina Submersa e pode absorver o máximo de Imp. Eu infelizmente não estava em um momento de dedicação a ela qndo fiz a leitura e em determinado momento me perdi bastante, perdendo muito o clima da história. Concluí, mas não finalizei. Entende?
    Converso muito com a Carol Nery do Coisas de Mineira sobre ele e pretendo um dia tentar novamente com mais calma.
    Parabéns pela ótima resenha!

    ResponderExcluir
  15. Eu achei muito legal você dizer que "este livro é igual uma sereia, uma hora você irá ouvir o canto, e então aí, você irá atrás dele. ", porque me lembra muito um livro que eu tenho aqui e tá quietinho na prateleira, esperando a vez dele.
    Amei conhecer esse título, e você acredita que eu nunca tinha visto um livro sem o título na capa? achei legal!

    ResponderExcluir

Ativem o "notifique-me" para saber qual foi minha resposta ao seu comentário e para que possamos interagir melhor! ♡